O CASO MOREL

Rubem Fonseca
Biblioteca Folha

Rubem Fonseca, apesar de contemporâneo, já é tido como clássico. A estrutura narrativa de suas histórias inaugurou o que podemos chamar de “novo policial”. Seu estilo passou a ser adotado por outros autores, como Chico Buarque em “Budapeste”, por exemplo.

No policial comum, o leitor se vê diante de enigmas que, aos poucos, vão sendo decifrados até que tudo se esclareça e, ao final, a justiça triunfe. Nas histórias de Rubem Fonseca, não é bem assim; não faltam mistérios – digo até que são mais elaborados e surpreendentes – mas, muito além das tramas típicas do policial, desfilam as mazelas de nosso arranjo social.

Fonseca encara sem rodeios a violência urbana em todos os estratos sociais, do traficante ao empresário, da socialite à prostituta, do mendigo ao banqueiro. E nos faz perceber como suas vidas se cruzam, como ocorre a convergência de interesses e as cumplicidades resultantes. Em O caso Morel, o autor faz um pequeno tratado sobre a psicopatologia de nossa vida cotidiana. No centro da trama está o artista Paul Morel, personagem carismática, que vive nesta estranha sociedade como um sobrevivente, levando às últimas conseqüências o que nela há de falso, delirante, destrutivo – e muito próximo de nós – familiar.

Livro imperdível que você lerá com avidez.


“Outras Palavras”, programa de literatura de Levi Bucalem Ferrari na Rádio Cultura Brasil.

Sobre levi

Poeta, ficcionista, ensaísta, sociólogo e professor universitário. Presidente da UBE - União Brasileira de Escritores, diretor do Sindicato dos Sociólogos de S. Paulo e Presidente do IPSO - Instituto de Pesquisas e Projetos Sociais e Tecnológicos. Integra a Coordenação do Movimento Humanismo e Democracia e o Conselho de Redação da Revista Novos Rumos. Foi Presidente da ASESP – Associação dos Sociólogos do Estado de São Paulo, Administrador Regional de Santana -Tucuruvi (SP). Coordenador da Proteção dos Recursos Naturais do Estado de São Paulo. Livros Publicados: Burocratas e Burocracias (ensaio, SP, Ed. Semente, 1981); Ônibus 307 – Jardim Paraíso (poesia, SP, Muro das Artes, 1983); A Portovelhaca e as Outras (poesia, SP, Paubrasil, 1984). O Seqüestro do Senhor Empresário (romance, SP, Publisher/Limiar, 1998); O Inimigo (contos, Limiar – SP, 2003). Recebeu o Prêmio de Revelação de Autor da APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte e outros. Publicou diversos artigos, contos, crônicas, poemas e resenhas literárias em coletâneas, jornais e revistas.
Esta entrada foi publicada em ESTANTE e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.