O INIMIGO

Levi Bucalem Ferrari
Editora Limiar (2003)

Livro de bolso contendo 12 contos divididos em 3 partes: da guerra que se foi; da guerra que vem; e do amor e suas guerras.

Na primeira, o pano de fundo é o longo período ditatorial vivido pelo Brasil de 1964 a 1985. Agentes da repressão, apoiadores e opositores do regime, inclusive guerrilheiros, compõe algumas das personagens principais. Na segunda parte, o autor imagina a Amazônia internacionalizada e ocupada por tropas da OTAN.  Duas histórias têm como cenário as principais cidades da Amazônia (Manaus e Belém) e salientam os conflitos entre ocupantes e a população local.
Na terceira parte estão contos que tem no centro as relações amorosas e seus conflitos tendo como cenário regiões diversas do Brasil do final do século XX.

Todas as tramas mesclam ficção com acontecimentos históricos, realidade com fantasia. Os doze contos mantém, cada um, estrutura própria, narrativa definida, mas bem poderiam ser capítulos de um único romance.

À medida que se avança na leitura, vão-se identificando personagens e situações: do garoto que descobre a possibilidade de vingar-se de um amor roubado; da iniciação de jovens na guerrilha urbana; dos sonhos desfeitos, da descoberta do sexo; da delação e da solidariedade; dos novos e antigos companheiros de prisão; da utopia não-realizada e de seu eterno retorno.

A cada novo elemento somam-se outros, criados pela própria interação do leitor, que completa lacunas propositalmente deixadas no caminho. Cabe a ele decifrar as pequenas charadas propostas ao longo dos contos. Seja em situações de guerra ou de paz, o ser humano, suas ambições e fraquezas, suas necessidades mais banais e sentimentos comuns ou inconfessáveis conduzem a ação.

O autor descreve, com a mesma naturalidade, do amor romântico ao assassinato por ciúme; da descoberta do sexo à insinuação de incesto; da tortura a presos políticos ao dia a dia dos operários de uma grande obra. E traça, desta forma, um rico panorama da sociedade brasileira numa linguagem repleta de humor e elegância; crueza e lirismo.

Excerto de “O inimigo”

“Tomei as informações necessárias à confirmação da suspeita. Contratei um profissional que obteve, além de informações, muitas fotos. E não agi como um chantagista qualquer.

Inicialmente, em troca de meu silêncio e dos negativos em meu poder, exigi do antigo rival ridículas quantias a serem depositadas a cada vez numa diferente conta bancária. Isso durou algum tempo. Fui aos poucos aumentando os valores enquanto mandava fotos mais comprometedoras. As piores, que causariam frenesi na polícia política, alvoroço em qualquer órgão de repressão, foram-lhe enviadas há uma semana. Ontem ele cometeu sucicídio.

Encontro em seu velório muitos dos velhos conhecidos de infância, um deles estranha como alguém com tantas dívidas, praticamente falido, fazia tamanhas doações a um sem-número de entidades filantrópicas.”

O INIMIGO: uma recriação de realidades e devaneios
Dirce Lorimier Fernandes*

O escritor e sociólogo Levi Bucalem Ferrari é autor de Burocratas e Burocracias (1981), Ônibus 307 – Jardim Paraíso (1983), A Portovelhaca e as outras (1984). Foi premiado como autor revelação pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), em 1998, pela obra O seqüestro do senhor empresário. Reaparece, em 2003, com sua obra O inimigo (Limiar, 100 p), numa edição pequenina, para o bolso, como as raras fragrâncias; de suas páginas, porém, vão ressurgindo um passado recente, e a memória de um menino que cresceu, mas não perdeu de vista as suas agradáveis fantasias. O inimigo é um livro, sem dúvida, masculino.

A morte de Getúlio, as notícias captadas pelo rádio, não havia televisão, a aventura de Gagarin, a série Jerônimo do Sertão, e a exuberância de Sofia Loren na tela do pequeno cinema da província, extasiando os meninos com seus olhos de gata, dão a certeza de que estamos diante de uma reconstrução histórica. Traz de volta reminiscências da infância, a transição menino/homem e juventude com seu modo peculiar de expressar-se.

Dialogando magistralmente com a História e a fantasia, e com o leitor presumido, Levi invoca os porões do DEOPS na metrópole e o povoa com seus alcagüetes, gritos, angústias, e lembra que havia também solidariedade. Nas ruas, prostitutas aliciando suspeitos de “subversão” para oferecer serviços e traição; camburões vão recolhendo os denunciados, para simples averiguações.  Seus contos, que parecem puxados por um mesmo narrador, retomam personagens, fazendo que, no conto seguinte, o presumido inimigo tenha o destino que mereceu, para júbilo de seu desconhecido desafeto. O inimigo sem nome que aparece no primeiro conto é morto em circunstâncias estranhas no segundo conto, suas fotos em trajes pouco recomendáveis são procuradas pelo delegado no terceiro conto, que põe em dúvida o suposto suicídio, ao constatar que seu alvo estava morto. Dentro das mesmas intrigas, Dentinho aparece na página 18, no primeiro conto, dá nome ao terceiro conto, tempo dos generais presidentes, é “dedo duro” da repressão, a serviço do mesmo delegado.

O inimigo transita entre o bem e o mal e leva o leitor a refletir sobre o caráter do ser humano. Passível de traições, as lembranças são capazes de fazer vicejar qualquer ódio enraizado.

Não só o governo militar tem papel importante nesta obra: governo que criou o A.I.5 e “domesticou o caudaloso Paraná pela ciência e trabalho dos homens, entre os quais João e José, interferindo na natureza e na vida de Rosa” (personagens-pretexto para a construção do conto). A mulher executa na obra vários papéis: é a prostituta, que tirada da Zona, para ela volta, sob o olhar complacente do narrador que justifica sua infância infeliz. Na página 24, a prostituta remete o leitor à “Tragédia Brasileira” criada por Manuel Bandeira, cuja personagem Maria Elvira é encontrada morta em decúbito dorsal, porque o marido não conseguira recuperá-la do vício. Contudo, o narrador de O inimigo não mata suas mulheres da Zona. Elas voltam para lá. O transitar do bem e do mal nos contos de Levi reedifica a mulher que retoma o seu sentido bíblico de serpente sedutora, mas também hábil, passiva. Mas nociva ao homem.

Há momentos suaves neste livro. Movido por um sublime impulso, o menino se deixa seduzir pelo olhar da mulher objeto. Ao contrário de Machado de Assis, cujas personagens têm olhos de ressaca, as mulheres de Levi têm olhos de gata.

Nesta obra, os contos dialogam entre si; ocorrem encontros e desencontros; com muita sutileza, o autor deixa transparecer suas próprias vivências como em barrageiros, conto que fecha o círculo mnemônico, por onde, na verdade, começam as aventuras desse escritor. Neste conto, o narrador muda o seu enfoque. Ao distanciar-se do objeto, como um fotógrafo, além de narrar a intrigante aventura triangular, informa sobre a construção da barragem de Itaipu, de cujas implicações talvez poucos brasileiros se lembrem.

Apesar desse retorno, os contos são alegres, Levi revigora o mal com a sua agradável ironia e, acima de tudo, o seu já consagrado talento literário, indiscutível, se observarmos a forma pela qual constrói o desfecho desses contos. Reler esse trabalho constitui um agradável exercício, uma reminiscência que engrandece; este autor não joga simplesmente com as palavras; ao aproximar-se da verdade, esta obra não choca, ao contrário, pelo irrefutável estilo do autor, e pelo seu compromisso social, ela transporta o que foi desagradável para a Literatura. E o que já é em si agradável? Ah! Isto o Levi transforma em poesia.

* Doutora em História da Cultura, pela USP, membro da APCA e da UBE, autora, entre outros de A Literatura Infantil (São Paulo, Loyola, 2003) e A inquisição na América. (São Paulo, Arké, 2004).

The Enemy – Love and war short stories
Levi Bucalem Ferrari
Limiar Publisher, São Paulo, 2003

Pocket book containing 12 short stories divided into 3 parts: about the war that is gone; about the war that is about to come; and about love and its own wars.

In the first, the background scenery is the long dictatorial period lived in Brazil from 1964 to 1985. Repression agents, regime supporters and opponents, including guerrilla fighters, constitute some of the main characters. In the second part, the author imagines an internationalized Amazon Forest, occupied by NATO troops. Both stories have their scenery in the most important Amazon cities (Manaus e Belém) and highlight the conflicts between the occupiers and local population. In the third part are some short stories that focus on love relationships and their conflicts having as scenery several regions of Brazil at the end of the twentieth century.

All plots merge fiction with historical events, reality and fantasy. The twelve short stories maintain, each one, their own structure and narrative set, even though they could be chapters of a single novel.

As the reader moves forward the story, characters and situations become known: the boy who discovers the possibility of revenge on a stolen love; the initiation of young people in the urban guerrillas; about broken dreams; the discovery of sex; about denunciation and solidarity; about new and old comrades of prison; the non-accomplished utopia and its eternal return.

To each new element presented, many others are added, created by the reader’s own interaction with the book when completing gaps purposely left in the path. It’s up to the reader to decipher the little riddles proposed through the stories. Whether in war or peace situations, the human being, with its ambitions and weaknesses, his most banal necessities and ordinary or secret feelings lead the action.

The author describes, with the same wit, romantic love and murder caused by jealousy; the discovery of sex and the incest insinuation; the torture of political prisoners and the workers daily life in a huge reservoir construction. And traces thus a rich panorama of the Brazilian society in a language plenty of humor and elegance; crudity and lyricism.

Excerpt taken from “The enemy”

“I took all necessary information that could confirm the suspicion. I hired a professional who collected, besides information, many photos. And I hadn’t at all acted as an ordinary blackmailer.

Initially, in exchange for my silence and the original photos in my hands, I required the old rival ridiculous amounts to be paid every time in a different bank account. That lasted for some time. I went little by little increasing the values while I sent more compromising photos. The worst, that would cause frenzy in the political police and excitement in any repression organ, were sent him a week ago. Yesterday he committed suicide.

I meet in his wake many of my old acquaintances from childhood; one of them finds it strange how someone, with so many debts, virtually bankrupt, could make so many  tremendous gifts to a number of non-philanthropic entities.

2 respostas a O INIMIGO

  1. Pingback: Blog do Levi » Blog Archive » OLHOS DE GATA

  2. Pingback: Blog do Levi » Blog Archive » NOITE DE AUTÓGRAFOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *