Arquivo da tag: amor

Em Aranjuez com teu amor (Alfredo García Segura)

Aranjuez, Um lugar de sonhos e de amor Onde um rumor de fontes de cristal No jardim parece falar Em voz baixa às rosas. Aranjuez, Hoje as folhas secas sem cor Que varre o vento São recordações do romance Que … Continue lendo

Publicado em Alfredo García Segura | Com a tag , , , | 4 comentários

O amor (Juan Andrés Leiwir)

O amor é uma gota de orvalho pousando em uma pétala de rosa, uma gota intermitente afogando-se no mar do esquecimento, um suspiro esperando ser correspondido, uma lágrima acariciando o rosto de quem amas, é um grito esperando ser escutado, … Continue lendo

Publicado em Juan Andrés Leiwir | Com a tag , , | Deixar um comentário

O nome da pátria (Oscar Acosta)

Minha pátria é altíssima. Não posso escrever uma letra sem ouvir o vento que vem de seu nome. Sua forma irregular a faz mais bela porque dão desejos de formá-la, de fazê-la como a uma criança a quem se ensina … Continue lendo

Publicado em Oscar Acosta | Com a tag , , | Deixar um comentário

Amor que pende e quebra (Rei Juan II de Castilla

Amor que pende e quebra, força que forças derruba muito inteira, e ao mesmo temor espanta e ao mais livre cativa sem que queira, a ti, muito desconhecida, tão cruelmente cativa pois que sabe que a minha própria vida que … Continue lendo

Publicado em Rei Juan II de Castilla | Com a tag , , | Deixar um comentário

Madrigal (Feliciana Enríquez de Guzmán)

Disse o Amor, sentado nas beiras de um córrego puro, manso e lento: “Silêncio florzinhas, não retorçais com o lascivo vento; que dorme Galatea, e se desperta, tendes por coisa certa que não haveis de ser flores em vendo suas … Continue lendo

Publicado em Feliciana Enríquez de Guzmán | Com a tag , , | Deixar um comentário

Tchau amor tchau (Luigi Tenco)

A rua costumeira, branca como sal o trigo precisa crescer e o campo precisa ser arado. A cada dia olhar se chove ou se faz sol, pra saber se amanhã se vive ou se morre e um belo dia, dizer … Continue lendo

Publicado em Luigi Tenco | Com a tag , , | Deixar um comentário

Inútil sou (Alfonsina Storni)

Por seguir das coisas o compasso, às vezes, quis neste século ativo, pensar, lutar, viver com o que vivo, ser no mundo algum parafuso a mais. Mas, atada ao sonho sedutor, do meu instinto voltei ao escuro poço, pois, como … Continue lendo

Publicado em Alfonsina Storni | Com a tag , , | Deixar um comentário

O rogo (Alfonsina Storni)

Senhor, Senhor, faz já tanto tempo, um dia Sonhei um amor como jamais pudera Sonhá-lo ninguém, algum, amor que fora A vida toda, toda a poesia… E passava o inverno e não vinha, E passava também a primavera, E o … Continue lendo

Publicado em Alfonsina Storni | Com a tag , , | Deixar um comentário

Poema 55, quinta poesia vertical (Roberto Juarroz)

Um amor mais além do amor Por cima do rito do vínculo Mais além do jogo sinistro Da solidão e a companhia Um amor que não necessite regresso Porém tampouco partida Um amor não submetido As chamas de ir e … Continue lendo

Publicado em Roberto Juarroz | Com a tag , , | Deixar um comentário

Ponte invisível (Marilina Ross)

Estás… estás em mim embora não estejas aqui. No canto mais quente onde guardo o amor. Entras e te instalas com naturalidade em cada cavidade e sei também Que estou batendo igual dentro de ti no lugar do grande prazer … Continue lendo

Publicado em Marilina Ross | Com a tag , , | Deixar um comentário