Para uma aprendiz de espanhol (Germán Carrasco)

Sons que raspam a garganta como certos sabores, ruídos na rugiente Babel, ritmo e rareza de uma língua cujo ronco raspar esfregando alvéolos retumba certa rudeza ou rugir de raça rara, erres tribais, endogâmicas, difíceis, o último de aprender em uma língua: linguagem refinada da poesia ou um áspero blues, se prefere: delirario: diário de lírios e delírios mas já que desordem – como a de teu cabelo sem ir mais longe – é uma desordem dinâmica, por aí temos de começar: de rosa.

(Tradução de Héctor Zanetti)

Para una aprendiz de español
Germán Carrasco

Sonidos que raspan la garganta como ciertos sabores, ruídos em la rugiente Babel, ritmo y rareza de uma lengua cuyo ronco raspar fricando alvéolos retumba cierta rudeza o rugir de raza rara, erres tribales, endogámicas, dificiles, lo último de aprender em uma lengua: lenguaje refinado de la poesia o um rasposo blues, si prefieres: delirario: diário de lírios y delírios mas ya que el desorden – como el de tu pelo sin ir más lejos – es um ordem dinámico, por ahí hemos de empezar: di rosa

Sobre Maria Teresa Pina

Nasci em 27 de dezembro de 1962, em São Paulo, e me formei bibliotecária em 1983 pela Escola de Sociologia e Política - Faculdade de Biblioteconomia de São Paulo. Apesar de não exercer mais a profissão, nunca perdi o interesse pela pesquisa/informação e pelos meios de comunicação.
Esta entrada foi publicada em Germán Carrasco e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

1 Response to Para uma aprendiz de espanhol (Germán Carrasco)

  1. Léo vincey disse:

    Uma única palavra: SENSACIONAL!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *