DE VOLTA À PROVÍNCIA

estilhaça em cada canto uma granada de lembranças
ardem, sangram a pele,
estouram nos poros, nos miolos
quem, diabos, mudou essa esquina
onde eu tanto fiz como não fiz
ou quis

a saudade é um aperto no peito
a vida poderia ter tomado outro rumo
e enfim não mudamos o mundo

dos amigos um ficou louco
o outro alcoólatra.
do terceiro ninguém sabe
desde que a mulher o deixou

aquelas menininhas tão lindas
a tocarem piano
estão mais velhas que eu

uma casou tarde
outra se casou mal
a terceira nem casou
e ainda toca piano

suas mãos acariciam as teclas alvinegras
e como se desde então me esperasse
convida-me para o café com biscoitos
os mesmos biscoitos

o relógio parou o tempo
e há uma fenda na parece
que nunca se consertou

………….

RITORNO IN PAESE (*)

Intorno a me scheggia una granata
di ricordi che sanguinano
e bruciano la pelle,
s’infilano nei pori sino al midolo:
ma chi ha cambiato
quest’angolo di strada
dove ho fatto o non fatto
quel che volevo?

La nostalgia mi dà una stretta al petto:
la vita poteva andare un altro verso…
Senza cambiare il mondo.

Dei miei amici
uno è uscito di senno
un altro è dato all´alcol
e il terzo non si sa dov’è finito
da quando la sua donna l’ha lasciato.

E quelle fanciulline così linde
che suonavano il piano
ora saranno sfatte più di me:
una si sposò tardi
l’altra per sbaglio
la terza non riuscì a sposarsi affatto
e sta a suonare ancora il pianoforte,
le mani a carezzare la tastiera
bianca e nera.

E’ come se da anni mi aspettasse
mi invita a prendere um caffè
caffè e biscotti
sempre biscotti…

Qui ha fermato il tempo l’orologio,
c’è un buco nel muro,
che nessuno ha riparato.


(*) Publicada na Revista Spiragli di arte, lletteratura e sicenze. (Palermo, Anno XX, I-IV 2008) em tradução livre do poeta Renzo Mazzone.

Sobre levi

Poeta, ficcionista, ensaísta, sociólogo e professor universitário. Presidente da UBE - União Brasileira de Escritores, diretor do Sindicato dos Sociólogos de S. Paulo e Presidente do IPSO - Instituto de Pesquisas e Projetos Sociais e Tecnológicos. Integra a Coordenação do Movimento Humanismo e Democracia e o Conselho de Redação da Revista Novos Rumos. Foi Presidente da ASESP – Associação dos Sociólogos do Estado de São Paulo, Administrador Regional de Santana -Tucuruvi (SP). Coordenador da Proteção dos Recursos Naturais do Estado de São Paulo. Livros Publicados: Burocratas e Burocracias (ensaio, SP, Ed. Semente, 1981); Ônibus 307 – Jardim Paraíso (poesia, SP, Muro das Artes, 1983); A Portovelhaca e as Outras (poesia, SP, Paubrasil, 1984). O Seqüestro do Senhor Empresário (romance, SP, Publisher/Limiar, 1998); O Inimigo (contos, Limiar – SP, 2003). Recebeu o Prêmio de Revelação de Autor da APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte e outros. Publicou diversos artigos, contos, crônicas, poemas e resenhas literárias em coletâneas, jornais e revistas.
Esta entrada foi publicada em POEMAS e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a DE VOLTA À PROVÍNCIA

  1. quello che stavo cercando, grazie

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.