MELHORES POEMAS DE MURILO MENDES

Murilo Mendes
Global Editora

Surrealista, barroco, visionário, Murilo Mendes foi uma das vozes poéticas mais pessoais e inovadoras do modernismo brasileiro.

Desde a sua estréia, revelou-se um poeta original, qualidade que o seu longo processo de evolução iria acentuar. A última fase de sua poesia é, além disso, marcada pelo sentido de fraternidade e comunhão humana.

Vamos anotar: “Melhores Poemas de Murilo Mendes”, seleção e prefácio de Luciana Picchio. E publicado pela Global Editora.

Ouça aqui o programa:

“Outras palavras” é o programa de literatura de Levi Bucalem Ferrari na Rádio Cultura Brasil.

Poemas de Murilo Mendes

Gilda

Não ponha o nome de Gilda
na sua filha, coitada,
Se tem filha pra nascer
Ou filha pra batisar.
Minha mãe se chama Gilda,
Não se casou com meu pai.
Sempre lhe sobra desgraça,
Não tem tempo de escolher.
Também eu me chamo Gilda,
E, pra dizer a verdade
Sou pouco mais infeliz.
Sou menos do que mulher,
Sou uma mulher qualquer.
Ando à-toa pelo mundo.
Sem força pra me matar.
Minha filha é também Gilda,
Pro costume não perder
É casada com o espelho
E amigada com o José.
Qualquer dia Gilda foge
Ou se mata em Paquetá
Com José ou sem José.
Já comprei lenço de renda
Pra chorar com mais apuro
E aos jornais telefonei.
Se Gilda enfim não morrer,
Se Gilda tiver uma filha
Não põe o nome de Gilda,
Na menina, que não deixo.
Quem ganha o nome de Gilda
Vira Gilda sem querer.
Não ponha o nome de Gilda
No corpo de uma mulher.

 

 A mãe do primeiro filho

Carmem fica matutando
no seu corpo já passado.

— Até à volta, meu seio
De mil novecentos e doze.
Adeus, minha perna linda
De mil novecentos e quinze.
Quando eu estava no colégio
Meu corpo era bem diferente.
Quando acabei o namoro
Meu corpo era bem diferente.
Quando um dia me casei
Meu corpo era bem diferente.
Nunca mais eu hei de ver
Meus quadris do ano passado…

A tarde já madurou
E Carmem fica pensando.

Sobre levi

Poeta, ficcionista, ensaísta, sociólogo e professor universitário. Presidente da UBE - União Brasileira de Escritores, diretor do Sindicato dos Sociólogos de S. Paulo e Presidente do IPSO - Instituto de Pesquisas e Projetos Sociais e Tecnológicos. Integra a Coordenação do Movimento Humanismo e Democracia e o Conselho de Redação da Revista Novos Rumos. Foi Presidente da ASESP – Associação dos Sociólogos do Estado de São Paulo, Administrador Regional de Santana -Tucuruvi (SP). Coordenador da Proteção dos Recursos Naturais do Estado de São Paulo. Livros Publicados: Burocratas e Burocracias (ensaio, SP, Ed. Semente, 1981); Ônibus 307 – Jardim Paraíso (poesia, SP, Muro das Artes, 1983); A Portovelhaca e as Outras (poesia, SP, Paubrasil, 1984). O Seqüestro do Senhor Empresário (romance, SP, Publisher/Limiar, 1998); O Inimigo (contos, Limiar – SP, 2003). Recebeu o Prêmio de Revelação de Autor da APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte e outros. Publicou diversos artigos, contos, crônicas, poemas e resenhas literárias em coletâneas, jornais e revistas.
Esta entrada foi publicada em ESTANTE e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

4 respostas a MELHORES POEMAS DE MURILO MENDES

  1. Nicole disse:

    Muito bom o site, contém várias informaçoes realmente pertinente ao autor e que nos da segurança na hora que recebemos a informação.

  2. danizinha s2 fofs disse:

    gosti mucho destes poeminhas.. desse saite tamém! muuithco bom mismo!!!!!!!!!!!!!!!! rs
    beijoslas para tudo word que tá lendo!
    TODOS FOFOS!
    godi baie.

  3. sem dúvida Murilo Mendes é excepcional em todos os poemas descritos
    é impresionante como ele brinca com as palavras.gosto de todos os poemas dele…

  4. samuelly marthins da silva disse:

    Nunca tinha ouvido falar desse poeta tão famoso… que agora faz parte da minha lista de poetas favoritos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>