JORGE AMADO

Aqui está um dos gigantes da nossa literatura: Jorge Amado. Autor de  obras inesquecíveis, imortalizadas também no cinema e na televisão, Jorge foi o autor brasileiro mais traduzido em outras línguas até então.

Fazia biscoitos finos para a massa, porque com boa literatura, sem apelação, conseguia agradar tanto o leitor culto como qualquer outro. Suas personagens serão sempre lembradas: como o Vadinho de Dona Flor e seus dois maridos, a própria Dona Flor, Tereza Batista cansada de guerra, Tieta do Agreste, Gabriela, aquela do cravo e canela, e tantas outras.

O crítico Fábio Lucas observa que as personagens de Jorge Amado são sempre oriundas das camadas populares, são trabalhadores ou desempregados, são vaqueiros, marinheiros, empregadas domésticas, crianças abandonadas, prostitutas.

Amado foi também um ativo militante político, tendo sido eleito deputado pelo extinto Partido Comunista Brasileiro.

Qualquer livro de Jorge Amado é gostoso de ler. Agrada desde a primeira até a última página. Além dos já citados e mais conhecidos, sugerimos também Capitães de Areia e Velhos Marinheiros. Obras-primas.

Ouça aqui o programa:

[audio:http://blogs.utopia.org.br/levi/files/outraspalavras_001-jorge-amado.mp3]
“Outras Palavras” é o programa de literatura de Levi Bucalem Ferrari na Rádio Cultura Brasil.

Sobre levi

Poeta, ficcionista, ensaísta, sociólogo e professor universitário. Presidente da UBE - União Brasileira de Escritores, diretor do Sindicato dos Sociólogos de S. Paulo e Presidente do IPSO - Instituto de Pesquisas e Projetos Sociais e Tecnológicos. Integra a Coordenação do Movimento Humanismo e Democracia e o Conselho de Redação da Revista Novos Rumos. Foi Presidente da ASESP – Associação dos Sociólogos do Estado de São Paulo, Administrador Regional de Santana -Tucuruvi (SP). Coordenador da Proteção dos Recursos Naturais do Estado de São Paulo. Livros Publicados: Burocratas e Burocracias (ensaio, SP, Ed. Semente, 1981); Ônibus 307 – Jardim Paraíso (poesia, SP, Muro das Artes, 1983); A Portovelhaca e as Outras (poesia, SP, Paubrasil, 1984). O Seqüestro do Senhor Empresário (romance, SP, Publisher/Limiar, 1998); O Inimigo (contos, Limiar – SP, 2003). Recebeu o Prêmio de Revelação de Autor da APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte e outros. Publicou diversos artigos, contos, crônicas, poemas e resenhas literárias em coletâneas, jornais e revistas.
Esta entrada foi publicada em ESTANTE e marcada com a tag , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

1 Response to JORGE AMADO

  1. Fernando Garcia disse:

    Escritor popular, apologista da safadeza, um dos motivos óbvios de aceitação geral, tendo como pano de fundo situações político-religioso-sociológicas. Quase todos seus livros apelam para um sexualismo barato.
    Você que me lê, daria a uma filha ou neta quase criança ainda:Capitães de Areia ou Tieta do Agreste? por exemplo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.